ENTREVISTAS

Adeus futebol!

VPM – Como o bodyboard entrou na sua vida?

Na década de 90. Aproximadamente em 1995 eu já me aventurava na praia da Redinha. Tudo começou quando ia jogar bola na praia e via uma galera surfando. Logo me encantei com as manobras, e foi amor à primeira vista. Nunca mais joguei futebol rs.

VPM – Você sempre que compete consegue bons resultados. O que falta para se tornar um atleta profissional?

Um apoio maior e patrocínio financeiro para que eu possa me manter e participar dos eventos. As inscrições e hospedagens se tornam caras quando você viaja pelo Brasil.

VPM – Quais os campeonatos que mais marcaram e porquê?

Campeonato Brasileiro em 2001. Esse foi o primeiro evento nacional que participei. Vinha surfando muito bem e cheguei as semifinais ficando com a quinta colocação. O campeonato que mais me marcou foi uma etapa do OBBN na praia da Redinha (esplanada), onde a final  do evento foi contra os melhores atletas do RN da época. Junior Dantas, Wanubio e Airton Chocolate. Consegui achar as melhores ondas e as melhores manobras, levando o público ao delírio a cada onda, foi emocionante. Fiquei muito feliz também, por ter tido Luciano Toscano como arbitro desse evento, ele é um cara que me incentiva demais para competir circuitos nacionais.

VPM – Quais são seus projetos para 2019. Algum circuito previsto ou meta planejada?

Competir todo circuito Brasileiro 2019 nas categorias profissional e Master.

VPM – O que fazer para o bodyboard voltar a crescer e ter o destaque que já teve antes?

União e um apoio maior de patrocinadores, investidores e da imprensa apoiando e divulgando os atletas. Acredito que dessa forma voltaria a ter o destaque de antes.

VPM  – Qual o melhor nome do esporte na atualidade e quem é o seu grande ídolo?

Pra mim os três melhores são: Jeff Hubbard,Tanner Macdaniel e Pierre. Meu grande ídolo sem dúvidas e o Guilherme Tâmega.

VPM – No RN quais atletas você destaca?

Destaco Wagner Caetano na década de 90, Marcus Lima nos anos 2000 e na atualidade Kledson Lucena, Fabio Soares e Martin Moser.

VPM – Um swell inesquecível?

PIPA 2018, no pico conhecido como o secret, onde surfamos ondas de até 8 pés. Essa onda é super pesada e perigosa. Inesquecível!

VPM – Pico preferido?

Sem dúvidas a praia da Redinha no quebra mar, onde a onda tem força e tamanho.

VPM – Aquela onda que dá frio na barriga?

Posto 5 em Copacabana e Itacoatiara, todos no RJ.

VPM – 10 Manobra predileta?

Backflip é a preferida. Gosto muito do aéreo também.

VPM – Por fim. Manda o seu recado pra galera do Vem Pro Mar e para os seus patrocinadores.

Agradecer a bodyboarding Brasil (B2BR) e a Classic Fins pelo espaço que vem me dando. São empresas que investem no bodyboard. Não podia faltar o Vem Pro Mar pelo espaço que vem doando ao esporte Potiguar, divulgando e levantando o esporte no RN no Brasil e no mundo.

MATÉRIAS