ENTREVISTAS

Destaque nas ondas e na popularidade.

Conheça um pouco mais sobre Marcus Flavius, o nome mais forte do esporte no RN.

Você começou a pegar onda bem cedo, de lá para cá o esporte veio passando por muitas transformações. Se você fosse fazer um raio-x do bodyboarding da atualidade, qual seria seu diagnóstico?
Atualmente o BB no RN encontra-se em um momento em que pessoas desejam mudar o quadro atual. Acho que esteve pior, sem nenhum movimento. Mas a questão não é apenas se movimentar e sim, a forma de fazer. Sem Associação que já poderia ser federação, o que seria apenas consequência natural do crescimento e com a presença ativa dos atletas. Quando comecei o esporte poderia também ter tido um incentivo melhor. Hoje vejo pela experiência que o ponto essencial é a participação dos atletas de forma unida. Resultado: temos a receita para fazer com que hoje tudo possa mudar de uma forma mais eficaz que em qualquer outro período. União, força e trabalho.

Você conta com os patrocínios das empresas Gênesis e Kcal. Fale um pouco dos seus patrocinadores e da importância do apoio deles.
A Gênesis fica difícil de falar, pois existem grandes nomes vinculadas à marca que poderiam representar muito bem ela em todo planeta onde tenha praia. Ela é comprometida com a qualidade, totalmente adaptada para as condições brasileiras (água quente e fria) e outras tecnologias usuais para Brasil. Sinto-me super à vontade com o nosso diretor João Alves Vilela para tratar assuntos ligados aos nossos produtos: falhas e erros na produção, adaptação, mudanças, reclamações… Enfim, ninguém é perfeito, mas sempre atendemos às necessidades dos nossos atletas e clientes. Eu testo constantemente mudanças nas minhas pranchas, o que reflete no desempenho nas ondas, buscando assim bons resultados nas competições. Quanto à Kcal, o proprietário Ezequiel, antes de tudo somos grandes amigos e hoje parceiros. A sua linha de produção estava destinada à terceirização de grandes marcas e magazines nacionais, isso como consequência da baixa no BB no CE. Hoje nosso estado vizinho está “Muito bem! Obrigado!” e consequentemente, as marcas que por lá navegam estão surfando a onda do sucesso. Entre tantos atletas do CE, fui escolhido de forma exclusiva para usar seus produtos que hoje contam no seu material de produção um item indispensável para quem praticar atividades ao ar livre, e com proteção UV. Ambos me fazem sentir preparado enfrentar as mais diversas competições, Ezequiel com sua longa experiência me transmite muita segurança através de suas palavras na hora das baterias, sempre que pode se faz presente.

Em sua opinião qual o melhor pico do RN para o bodyboarding?
Merece duas respostas: uma de competidor e outra de freesurf. Vamos lá… Miami julgo como uma onda mais parecida com as condições nordestinas enfrentadas durante o ano em competições, local ideal para treinar. Agora o playground se chama Sororoca.

Qual foi a situação mais inusitada em suas trips?
Pôxa… Nas minhas viagens sempre dá tudo certo. Acho que o momento mais inacreditável foi como comecei a pegar onda. Mudei de colégio e os caras todos pegavam onda, eles me perguntaram se surfava, para me entrosar disse que sim. Numa bela terça-feira à tarde de inverno, com ressaca na Praia dos Artistas, fui sem prancha. Falei que esqueci meu BB na casa da minha tia em Búzios, mentira! Não tinha nem um pedaço de isopor. Disseram: “Tem uma prancha sobrando de Gessé. Bora entrar?”. Disse: Bora!!!! Kkkkk… Quase moro!!!! Kkkkk…

Qual o seu título mais importante?
Ganhei uma etapa do circuito sulamericano realizada em Maracaípe e no mesmo ano fui Campeão PE 2012.

Já tivemos grandes nomes no esporte do RN. Quais nomes você destacaria?
Masculino: Geovani Klava, o cara no esporte e no feminino: Isaura Barros, de três etapas do circuito brasileiro ela vencia duas.

Na sua opinião qual a maior promessa do esporte no RN?
Como vamos ter novidades sem treinar novos atletas? Acho que temos que “fabricar” atletas, pois não vejo nenhuma novidade agora. Todos os atletas que poderiam ser chamados de nova geração já estão aí competindo. Precisamos plantar sementes para colher frutos. Quanto a esse assunto, temos o grande exemplo do estado vizinho (CE), com dezenas de escolinhas liderados por atletas com muita disciplina e amor.

MATÉRIAS